terça-feira, 22 de junho de 2010

FAMILIA, PARENTESCO e SOCIEDADE

Constantemente ao lermos em jornais ou recebemos informações acerca de situações de conflitos e crises que  refletimos sobre o "papel" da familia na sociedade. Como se a mesma tivesse uma função reguladora ou possuísse um poder de gerar bons cidadãos. São situações que mostram a o contrário daquilo que pensamos nas nossas cabeças. A desetruturação dos membros na mesma já é assunto comum. "O mundo está de cabeça para baixo," pode dizer as pessoas que não entendem que as familias  e o parentesco são conceitos dinâmicos e em constantes mudanças de acordo com o ritmo proposto pela sociedade. Não é família que forma a socieade, as vezes, é a socieade que forma a família. É necessário desconstruir alguns mitos o que compreendemos de modo simplista da relação familia e socieade. O nosso objetivo é buscar o início de uma reflexão e mostrar que a situação não é tão simples de se explicar e também entender apenas condenando. Há vários fatores por trás das justificativas casuais da  noticia aparente que se revela nos meio de comunicação ou nos comentários de julgamentos morais das pessoas expostos sobre o assunto.
As descobertas feitas nas pesquisas Antropológicas mostram o quanto é complexo se  analisar as relações de parentesco  e que pelo senso comum reproduzem somente a transgressão das regras familiares. O atual modelo  nuclear de familia e também de parentesco se tornou mais um resultado de processos históricos diversos para a consolidação da modernidade do que algo que já existia como eterno e fixo. As investigações científicas se mostraram emplemáticas no que compreendemos que a base da família, primeiro de que não está no sangue dos membros. Na verdade, as condições de consanguinidade tornaram-se apenas um dos elementos para a análise do núcleo familiar, não é o principal e nem o mais importante. Outras condições como a econômica e até de circulação das pessoas tem se mostrado importantes em certos aspectos quanto o assunto é "família". Assim associando a genealogia do parentesco, podemos ver que ambas se formam e se mantem a partir de interesses externos as mesmas, presentes mais nos elementos culturais do que nos sanguineos, como se fosse a consequência e não causa. As investigações levaram as comparações antropológicas que revelam  que em todas as sociedades humanas existentes há um sistema de adoção e estruturação do que seja "a família ideal" e  as relações de "parentesco correto", por vezes diferentes e até contráditorios aos nossos padrões. Esse sistema tem como função a manutenção e reprodução dos laços de convivência(econômico, político, social) que estão na sociedade especificada quer seja uma sociedade africana, asiática ou indigena, pouco relacionado com a reprodução sexual e a proteção de sua prole. 
Os (des)casos que pululam nos meios de comunicação revelam uma situação particular que não podem ser generalizada, álias como modelo de puniçao para os outros membros da sociedade. A sociabilidade humana dentro do atual modelo familiar está permeada de condições contraditórias, diga-se de passagem: sociedades individualistas, urbanas, desagregadoras e que somente acentuam o sentimento de exploração que sempre vem acontecendo frequentemente. Quando alguém quebra a regra instituida pela sociedade maior sofre sérias punições por não obedecer a ordem estabelecida. Ao contrário do que se imagina, as outras instituições sociais necessitam da organização normativa e cultural para existir, usam a familia e o parentesco que são "naturais" para a pessoal para acentuar a função na sociedade. Se permite a existência da familia é em condições restritas com regras de convivio para a manutenção de outras ordens, isso é uma relação de confronto e oposições que estabelecem um certo equilibrio para a manutenção de ambas (sociedade e familia).

2 comentários:

G. Rafaelly disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
G. Rafaelly disse...

Pra mim família é pai, mãe e irmão, parente é o resto das pessoas(vó, vô, tio, tia, primo)...
Hoje é a sociedade que forma a família, mais se for uma família bem estruturada, uma boa família, que sabe educar seus filhos,nada de ruim acontece, a sociedade pode até interferir, mais pode não mudar o pensamento de cada um dentro de sua casa... Com isso não tem como jovens se perderem no mundo, se drogarem, se protituir, se livrar de certas maldades do mundo...